sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Sempre é bom lavarmos as nossas vidraças

Lembra-se daqueles recém casados que a mulher comentava sempre com o marido que a vizinha da frente não sabia lavar roupas pois os lençóis pendurados estavam sempre mal lavados? Ela só não falou com a vizinha porque não tinha intimidade com ela. Um determinado dia aquela jovem casada quando se levantou viu os lençóis da vizinha bem limpinhos, ficou surpresa e comentou com o marido que, enfim a vizinha tinha aprendido lavar os lençóis, e seu esposo a corrigiu: "Não, é que hoje eu levantei mais cedo e lavei os vidros da nossa vidraça!". Com que tipo de vidraça, você tem procurado observar o mundo? É comum expressões do tipo: "Como é que pode aquela pessoa fazer aquilo?" "É um absurdo ele ter coragem de agir daquela forma!" "É inaceitável ele tomar tal decisão." É tão fácil criticarmos alguém, sejam nossos amigos, vizinhos, parentes e até nossos líderes. Enxergarmos os equívocos, os erros e os exageros de quem está ao nosso redor com uma precisão incrível. E por vezes, esquecemos do próprio umbigo, e o interessante é que não gostamos de ser criticados. Muitas vezes não percebemos quando estamos com mal hálito, quando nosso odor está incomodando os outros, quando somos arrogantes, quando somos uma verdadeira "dor de barriga". Agora, quando percebemos qualquer pequena falha no comportamento ou no jeito de ser do nosso próximo, abrimos o verbo, consideramos injusto o que está acontecendo e fazemos o nosso julgamento, geralmente com muita dureza. É certo que tenhamos as nossas opiniões, e é normal tecermos as nossas críticas, mas, antes de abrir a nossa boca para apontar o que consideramos um erro em alguém, precisamos, mais do que nunca sermos críticos de nós próprios, o que, diga-se de passagem é muito difícil. Geralmente não enxergamos os nossos próprios erros. O que sempre queremos é que sejam brandos, pacientes, compreensivos, amorosos, perdoadores e tolerantes com nossos erros e pecados. E ai, muitas vezes, a hipocrisia e a cara de pau que imputamos aos outros fazem parte de nosso comportamento cotidiano. Que o sabão da humildade e da prudência sejam usados diariamente por cada um de nós. Que antes de perceber o cisco no olho de um irmão e amigo, enxerguemos o pedaço de madeira que está dentro de nossos próprios olhos. Que nosso senso crítico seja, antes de tudo, testado no espelho de nossa casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário